Archive for fevereiro \28\UTC 2010

Comentário: “Aqui começa a nossa História”

28 de fevereiro de 2010

“Caro Marcelo.

Desculpe por não ter tido “pernas” ou “dedos” para atender seu convite que muito me honrou. Não foi desta vez que escrevi aquelas dez linhas falando sobre a importância do Morro do Geo no resgate da nossa história para publicação na edição do jornal.

Mas aproveito para reafirmar aqui o respeito pelo seu jornal que você sabe eu tenho de sobra. Resgatar a história como você faz no Morro é um ato de utilidade pública.

Para um itabirano como eu, vindo de uma cidade onde há museu, centro histórico com casarões tombados, além da história eternizada nos versos drumondianos é duro perceber que pouco se fez ao longo da história para manter acesa a própria história de Monlevade.

Claro que muitos fizeram individualmente alguma coisa, mas falo em esfera de Governo. Estando hoje na administração municipal, espero poder contribuir dentro dela para que possamos iniciar em termos oficiais algo que se some ao trabalho do Morro do Geo.
Afinal, lá em 2100 seus tataranetos precisarão de mais fotos da época de início do século 21 (ou seja, hoje), quando algo era feito pela preservação da história monlevadense, para publicar.
Saudações e vida longa ao Morro do Geo”.

Emerson Duarte – Assessor de Governo da Prefeitura de João Monlevade

Dez anos de estrada do Morro

28 de fevereiro de 2010

“Olá Marcelo.

Quero aqui expressar a minha satisfação em acompanhar o Morro do Geo e, principalmente, seu Blog.
Sinceros parabens. Sua irreverência amadureceu junto com sua seriedade e competência na arte de informar a população monlevadense. Continue trazendo informações aos munícipes. Que outros dez anos cheguem com a mesma (ou ainda melhor) qualidade.

Um abraço,

Professor Dias – João Monlevade

E-mail de um Leitor – “O Morro do Geo entra no Ano 10″

28 de fevereiro de 2010

“Caro Amigo Urso,

Parabenizo-lhe por esta grande ousadia em fazer um jornal IN. Informativo, “Inlay”, instrutivo, indicativo e demais ins que elevam o nome e as notícias ali publicadas (até mesmo INútil – risos).

Mas, tenho uma reclamação que tornarei pública: nestes últimos 10 anos tentei por longos e intermináveis dias, horas, minutos, segundos assinar este jornalECO (risos) para ter o conforto de recebê-lo em minha residência, mas hoje eu fiquei sabendo (pela boca de seu menino mais velho) que você NÃO entrega o jornal, portanto, eu jamais conseguiria receber o jornal.
Portanto, meu protesto: NÃO ASSINO.
Parabéns!
Abraços”.

Marcelo Torres (“Marcelinho Dentista) – João Monlevade

E-mail de um Leitor – Os dez Anos do Morro do Geo

28 de fevereiro de 2010

“Marcelo, parabéns a você e toda a sua equipe pelos 10 anos do Morro do Geo, que prá mim é o melhor jornal da região, pois não escorre sangue quando é apertado e nem tampouco fala de política, e quando fala é pra tirar sarro, sem partidarismo aficcionado. Gosto especialmente dos causos hilariantes do Framber e do Diário de Um Aposentado, mas a minha coluna preferida é a da Cora, Coramar Alves, que não conheco pessoalmente, como também não conheco nenhum dos outros colunistas. Me encanta a paixão que a Coramar nutre por nossa Jean Monlé, como descreve com riqueza de detalhes a vida e os lugares de antigamente. Apesar de não ter vivido aquela áurea época (sou nascido no ano de 66), viajo no tempo e delicio-me com suas histórias encantadoras. Coramar, parabéns por sua coluna, e principalmente pelo amor que sente por seu chão”.
.
Um abraço à todos, e que venham mais 10 anos!!!!!!!

José Tadeu Vasconcelos Espíndola

Monlevade perde outro grande cidadão que deixou a sua história

27 de fevereiro de 2010

“Henriquinho” aparece ao centro, entre “Gigante” e Caetano Mascarenhas, após uma partida do seu Vasquinho

Faleceu na manhã de hoje, no Hospital Margarida, Henrique Dias, mais conhecido como “Henriquinho”, residente à Rua Siderúrgica, no Centro Industrial. Ele era casado com Maria Tereza Formiga Dias e deixa filhos e netos. Henriquinho é irmão de Seu Eduardo Dias, e o pai, Josué Henrique Dias, foi eleito vice-prefeito de João Monlevade na chapa de Wilson Alvarenga, e depois assumiu o cargo de prefeito pelo fato de Wilson Alvarenga ter sido eleito deputado estadual.

Bastante ativo na comunidade, mudou-se cedo para Monlevade ainda jovem e, como a maioria das pessoas que aqui chegava, foi trabalhar na Usina da Belgo-Mineira, onde aposentou-se. Era “boa pinta” e um excelente jogador de futebol, tanto de salão quanto de campo, onde defendeu a equipe do Vasquinho por vários anos. Também teve passagem memorável pelo Grêmio Esportivo e Alianza. Henriquinho estava enfermo há alguns anos. Seu sepultamento será amanhã.

Aqui ele aparece na equipe de futebol de salão do Alianza, um dos timaços dos anos 60 e 70. Ele é o sexto, em pé, da esquerda para a direita, ao lado do técnico José Luiz

Arquivo: jornal “Morro do Geo” Fotos: Diló

O Morro do Geo e o “Momento do Futebol”

27 de fevereiro de 2010

A Escola Polivalente foi uma referência em educação, mas infelizmente acabaram com o Sistema Premem de Ensino. No entanto, durante os cinco anos em que o sistema foi implantado ali no Polivalente, ficou uma marca e uma obra que o torna imortal.
Esta foto, do ano de 1973, durante uma ginkana realizada na escola e organizada pela direção. Participaram do evento três equipe, denominadas “EquiPantera” (que foi a campeã), “EquiPatota” e “Equipe do Barulho”. Na oportunidade, foi realizado também um torneio de futebol de campo e aqui os times, onde aparecem, em pé, da esquerda para a direita: Willian Caiana, Zé Roberto, Zeca do Baú, Paulinho, ?, Índio, Dimas, Genaro, Gilmar, Luiz Catarro, Cacau, Robson Avelar, Sabugo e Afonso Inútil. Agachados, na mesma ordem: Gaguinho, Thomaz, ?, Nelson Dorin, Carlos Alberto Dolabela, Jaca, Marcelo Franskstein, ?, Toninho Gordurinha, Marlon de Laudelino, Nenêga, Luis Bonifácio, Roberto Dolabela e Hamilton. E atuando como jurados alguns professores e membros do Conselho de Pais.

Matéria publicada na última edição do jornal “Morro do Geo”.

“E-mail de um Leitor – “Aqui começa a nossa História”

27 de fevereiro de 2010

“Li uma vez à respeito de uma mulher de 36 anos de idade que havia perdido a memória. Isto marcou muito para mim, pois como seria nascer aos 36 anos? Não mais lembrar dos bons momentos da juventude, adolescência, da infância? Imagino o quanto horrível poderia ser, pois a memória é um dos grandes presentes de Deus.
O Morro do Geo e seu blog ajudam a ativar a nossa memória. Nos ajuda a lembrar de passagens em nossa saudosa João Monlevade que naturalmente não lembraríamos.

Este seu trabalho de resgate de nossa história é simplesmente sensacional.

Parabéns e obrigado”.

Ricardo Menezes – Miami Beach

Prefeito fala sobre os 10 anos de estrada do Morro do Geo

27 de fevereiro de 2010

“Não se constrói o futuro sem um sólido alicerce de memórias.

Nossa cidade, embora jovem, tem uma história bonita que merece e precisa ser contada e recontada.

O Morro do Geo vem cumprindo muito bem o papel de preencher essas lacunas para que possamos entender como chegamos até aqui. Além do mais, tem sido um espaço fundamental para divulgação dos valores culturais aqui gestados e para discussão dos assuntos do cotidiano.

Parabéns ao Marcelo e vida longa ao Morro do Geo”.

Gustavo Prandini de Assis – Prefeito de João Monlevade

Texto de um amigo sobre os 10 anos de estrada do “Morro do Geo”

27 de fevereiro de 2010

“Fico à vontade para escrever sobre os 10 anos do Jornal Morro do Geo. Sinto-me à vontade, pois nasci na Rua Tabajaras, 518, perto da Pensão Grande (atrás da Belgo-Mineira), participei de diversos momentos da minha cidade natal e posso hoje, relembrar, graças ao trabalho do Marcelo Melo, que resgatou e resgata a todo instante velhos casos e causos e os acontecimentos da terrinha.

O Jornal Morro do Geo tem uma importante contribuição para a cultura monlevadense. No entanto, precisa contar com a contribuição das pessoas que têm em mãos documentos para assim disponibilizá-los, e serem apreciados por um público que, como eu, gosta de relembrar as origens. Não devemos ficar presos ao passado, mas para viver o presente e o futuro devemos entender nossas raízes. E o resgate da história de João Monlevade deve muito ao Jornal. Importante também registrar o trabalho do Marcelo, que a gente aprende a conhecer, pois a cada dia ele é diferente. O Marcelo que conheço há muito tempo, e é isto aí, emoção pura; se não concorda não procura pensar, fala na hora, mesmo que cinco minutos depois mude de opinião, mas volta atrás e pede desculpas. Mas ele é do bem.

Para finalizar, que Deus abençoe a você Marcelo, sua família e sua equipe, e que possam continuar este trabalho para nossa diversão e emoção. Sucesso”.

Eduardo Quaresma – Diretor administrativo da AMEPI

Aqui começa a nossa história

26 de fevereiro de 2010

Armazém do Geo. Pois assim nasceu a história, a vida. E desse armazém, de Seu “Leléu”, família de sobrenome Geo que veio de Sabará para ajudar no desenvolvimento de João Monlevade, ativando o comércio do distrito de Piracicaba.
E deixou aqui registrada a sua história, a sua obra. Monlevade se tornou referência com o morro que herdou o seu nome. “Nem o burro do Geo com o suspensole de Daniel e o cachimbo de Geraldo Doutor”…
E esse jargão cruzou as montanhas e atravessou décadas. E o mais menino de nossa terra sabe que o morro do Geo faz parte do início da história de nossa Vila Operária.

Matéria publicada na edição deste mês no “Morro do Geo”, que já pode ser encontrado nas bancas.