Archive for março \31\UTC 2010

Morro do Geo nas bancas

31 de março de 2010

A edição de nº 143 do jornal “Morro do Geo” já está nas bancas. Vale a pena dar uma conferida. Muita história e matérias interessantes.

Anos 1940 e vista parcial do Centro Industrial, ainda sem a praça do Cinema (Foto Coutinho)

Cemig apresenta previsão do tempo para a Semana Santa

31 de março de 2010

Segundo Ruibran dos Reis, meteorologista da Cemig, no período da Semana Santa, as condições meteorológicas serão marcadas pela atuação de uma frente fria sobre o Sudeste do País, e, dessa forma, o tempo deverá ficar nublado com chuva e ligeiro declínio da temperatura do ar sobre as regiões mineiras, litoral dos Estados do Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo.

Capital e RMBH

Na capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte, a previsão é de tempo nublado durante todo o feriado, com possibilidade de chuvas isoladas. Nesses dias, a temperatura varia entre 17 e 30°C.

Interior

Na quinta e na sexta-feira, nas cidades históricas de Ouro Preto, Mariana, Diamantina, Tiradentes, São João Del Rei e Congonhas, tradicionalmente procuradas durante essa época do ano, o tempo deverá ficar parcialmente nublado, com possibilidade de pancadas de chuva isoladas. A temperatura varia entre 17 e 29°C. No fim-de-semana, a dissipação do sistema frontal no Atlântico Sul proporcionará uma melhoria do tempo sobre o Estado, além de uma elevação na temperatura do ar. O tempo nessas cidades deve ficar parcialmente nublado com pancadas de chuva, e a temperatura deve variar entre 16 e 29ºC.

Região Leste

Na quarta-feira o tempo deve ficar nublado com pancadas de chuva na região leste.

Governador Valadares temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 33 graus

Teófilo Otoni temperatura mínima de 19 e temperatura máxima de 34 graus

Ipatinga temperatura mínima de 21 e temperatura máxima de 32 graus

João Monlevade temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 31 graus

Na quinta-feira o tempo deve ficar nublado com e chuva na região leste e temperatura em declínio.

Governador Valadares temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 30 graus

Teófilo Otoni temperatura mínima de 19 e temperatura máxima de 31 graus

Ipatinga temperatura mínima de 21 e temperatura máxima de 29 graus

João Monlevade temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 28 graus

Na sexta-feira o tempo deve ficar nublado com e chuva na região leste.

Governador Valadares temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 29 graus

Teófilo Otoni temperatura mínima de 19 e temperatura máxima de 28 graus

Ipatinga temperatura mínima de 21 e temperatura máxima de 27 graus

João Monlevade temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 27 graus

No sábado e domingo o tempo deve ficar parcialmente nublado com chuva isolada e períodos de melhoria na região leste.

Gov Valadares temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 29 graus

Teófilo Otoni temperatura mínima de 19 e temperatura máxima de 29 graus

Ipatinga temperatura mínima de 21 e temperatura máxima de 28 graus

João Monlevade temperatura mínima de 22 e temperatura máxima de 28 graus

Litoral

No litoral do Estado do Rio, o tempo deve ficar nublado com pancadas de chuva e períodos de melhoria, e a temperatura deve variar entre 22 e 30ºC, na quinta-feira. Na sexta-feira, no sábado e no domingo, o tempo deve ficar parcialmente nublado com possibilidade de chuva, e a temperatura deve variar entre 22 e 32ºC no litoral fluminense.

Para quem está com a intenção de passar a Semana Santa no litoral capixaba, a previsão é de tempo ruim, que deve ficar nublado com possibilidades de chuvas, na quinta e sexta-feira, e parcialmente nublado com pancadas de chuva no final de semana. A temperatura deve variar entre 22 e 32ºC.

Nas praias do sul da Bahia, o tempo deve ficar nublado com chuva, na quinta, e com previsão de chuva isolada na sexta-feira. No fim-de-semana deve ficar parcialmente nublado com pancadas de chuva. A temperatura deve variar entre 20 e 32ºC.

No litoral paulista, na quinta-feira, o tempo deve ficar parcialmente nublado com possibilidade de chuva à tarde. Já na sexta, o tempo deve ficar parcialmente nublado, mas sem previsão de chuva. No fim de semana o tempo piora, ficando parcialmente nublado com pancadas de chuva. A variação da temperatura durante o feriado fica entre 18 e 32ºC.

Carlos Magno fala sobre o caso do Padre Marcos

30 de março de 2010

“Mala Melo,

Tenho muito respeito por você e reconheço que você tem lado. O Padre Marcos falou a língua do povo; está no exercício da cidadania. O setor midiático confunde o povo. Quando lhes interessam, pleiteiam liberdade de imprensa. Agora querem literalmente silenciar o Padre Marcos. Notadamente dois pesos e duas medidas. Monlevade precisa de alternância de poder, pluralidade e contraditório são pilares fundamentais da democracia.
Um abraço”.

Carlos Magno – Diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de João Monlevade e Secretário Geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT)/ Minas.

Ao Carlos Magno

30 de março de 2010

Primeiramente, gostei do “Mala Melo”. E fico muito satisfeito em receber um comentário seu aqui no Blog. Aliás, sem querer aqui lhe jogar seda, está aí um cara o qual tenho muito respeito, que é você. Temos nossas diferenças político-partidárias, já participamos de debates interessantes e sempre tivemos uma admiração mútua. Nem naquela entrevista do saudoso Antônio Ramos você perdeu a boa. Por essas e outras, lhe admiro muito e é um cara que luta pelo seu ideal. Você tem a sobriedade e sabedoria de um cidadão de esquerda sensato e nunca partiu para a questão pessoal. Sempre aceitou o contraditório (Um parêntese: a não ser naquela assembléia realizada no Centro Educacional nos anos 1990. Lembra? Mas isso é outra história e a situação era muito diferente).

Mas, com relação à sua opinião, não creio que a imprensa queira “calar o Padre Marcos”, como você citou. Está, assim como o líder religioso, generalizando. Cada jornalista que tenha a sua postura. E até tenho lado, sim, como você disse, mas não faço parte de nenhum grupo político de Monlevade. Já fui filiado ao PT, PMDB e por último no PL. Mas nunca tive ideologia partidária, mesmo porque neste país são raríssimas as pessoas que a têm. O próprio vice-prefeito Wilson Bastieri foi eleito vereador pelo PT em 1988 (primeiro na história política de João Monlevade) e depois deu uma banana para o partido. Queria apoiar Carlos Moreira em 2000 e acabou retornando ao quadro do Partido dos Trabalhadores e formou a chapa com Gustavo no pleito de 2008. E ele é incoerente por causa disso? Acredito que não. Um direito dele e de tantos outros. A não ser o caso daquele político safado que muda de partido só para se eleger (porque é necessário menos votos em sua legenda) e, depois de eleito, manda o partido. Para a puta que o pariu para esse tipo de político. Aí é outra história. Minha posição e as minhas críticas vão de encontro à forma em que o Padre Marcos levou a coisa. Seu problema é com Moreira e Mauri. E que não venha então generalizar e atacar pessoas sérias.

Também sou totalmente favorável à alternância de poder e, durante todo esse processo de possível cassação do mandato do prefeito Gustavo Prandini de Assis, jamais acendi fósforo sobre o álcool. Muito pelo contrário. E, sinceramente, não escrevo para agradar esse ou aquele grupo, e nem mesmo ao Clero. Aliás, até o Clero está contra ao Padre Marcos. Mas apenas tento mostrar a minha opinião, mas jamais me julguei dono da verdade. Tento ser apenas coerente com os meus princípios como jornalista. No mais, mais uma vez obrigado pela intervenção.

Obrigado ao colega Célio Lima

30 de março de 2010

Um Blog que já me acostumei a ler diariamente, junto ao “Rapadura” (Márcio Passos), do Breno Botelho, do Marcos Martino e do Marcelinho Dentista, é do Célio Lima, intitulado “Drops de Sanidade”. Dia desses mesmo (acho que na postagem de sexta-feira passada, 26) ele deu uma aula sobre o regimento interno do Tribunal Regional Eleitoral, explicando todo o processo a que está envolvido o prefeito Gustavo Prandini de Assis, sobre a possível cassação de seu mandato. Foi de uma lucidez incrível. E o de ontem também sobre o jornal “A Verdade”.

Pois bem, mas hoje venho de coração agradecê-lo por me citar em sua postagem nesta manhã de terça-feira, 30, indicando meu Blog aos seus leitores, no que tange ao momento de identidade político-partidária em João Monlevade. E não vou citar aqui (contra o C/Contra o V), senão seria muito narcisismo de minha parte.

Quanto às nossas diferenças, faz parte do processo. E pode ter certeza que respeito muito a sua opinião e as idéias.
Grande abraço,

A Igreja é sim, para debater política, mas não a partidária

30 de março de 2010

Em minha leiga visão, acho que todas as igrejas devem sim discutir política. Falar em política durante as pregações e nas homilias. Afinal, a política faz parte de nosso cotidiano e não vivemos sem ela. Como escreveu um dia o grande teatrólogo alemão, Bertold Brech, “o maior ignorante é o ignorante político”. Ou seja, aquele que confunde a política com o partidarismo. A política com o político, e são coisas altamente distintas. Política se faz na cozinha de nossa casa, com os filhos e a esposa. Na escola, entre alunos e professores. E por aí afora.

No entanto, a Igreja não deve ser local para pregar a política partidária. Afinal, naquele lugar santo existem pessoas de ideais político-partidários diferentes. Gente de muitas siglas partidárias; de centro, de direita ou de esquerda. A Igreja é para comungar a fé, falar em justiça social e dar exemplos de cidadania. Mas não para fazer dos sermões um palanque político. Isso deixe para os candidatos.

O bom exemplo deixado pelo Padre Leo

30 de março de 2010

Sou batizado e crismado na Santa Igreja Católica, com muita honra e devo isso aos meus pais, Seu Sebastião e Dona Geralda. Eles sim, praticavam a religião, iam às missas religiosamente e sempre foram ativos na comunidade em que vivemos, ou seja, na Paróquia da Vila Tanque. Eu, por minha vez, sou um católico – diria – um tanto profano. Mas sou cristão e tenho muito temor a Deus. Não aos padres. Mas existem aqueles líderes religiosos que tocam os nossos corações. Aqui em Monlevade foram os casos dos saudosos padres Hidelbrando (o Juca), Miranda e Gustavo. Aliás, o Padre Miranda – grande figura e de uma homilia maravilhosa e que mexia com a gente -, foi um dos fundadores do PT em Ipatinga. Mas nem por isso falava em política partidária em seus sermões durante as missas que celebrou durante anos nas igrejas da Vila Tanque e na São José Operário.

Mas há um outro líder religioso cuja empatia foi imediata, num primeiro contato: Tarcísio Gonçalves Pereira, popular e saudoso Padre Leo, fundador da Comunidade de Bethânia, localizadas nas cidades de Curitiba, Castro, Guarapuava, Lorena e São João Batista, nas regiões sul e sudeste do país. A comunidade tem por objetivo restaurar jovens dependentes químicos, portadores de HIV e marginalizados em geral. Ele se foi prematuramente, aos 48 anos, vítima de câncer, mas deixou uma obra de tamanha relevância social, difícil de ser batida.

Pois bem, mas foi em setembro de 2004, quando fui conhecer a “Canção Nova”, em São Paulo. Saímos de ônibus especial daqui de Monlevade E para minha sorte, por pura providência divina, o Padre Leo quem foi o responsável pelas palestras naquele final de semana. Dizia a Carla, que me acompanhava, que aquele negócio de carismáticos me incomodava. Parecia fanatismo. Mas no instante em que Padre Leo subiu ao palco e falou uma palavra, comecei a chorar compulsivamente. Não conseguia parar. Aquele homem, ali em minha frente, nem precisava mais de falar. E ali foram três dias maravilhosos. Ouvindo o testemunho de um padre – na época ele tinha apenas 43 anos, mas de uma experiência de vida religiosa fantástica – sábio, que não tratava a sua Igreja apenas por oração, mas com prática. Lembro-me de uma frase que disse e que guardo até: “Se você ficar aí rezando, todos os dias, com os joelhos sobre milho ou feijão, e até sonhar com Nossa Senhora no céu andando de bicicleta, vendo aquela imagem bonita… Mas se não mudar a sua vida e praticar o bem. Fazer, ir à luta, não adiantará de nada as suas orações”. Era uma forma jocosa de dizer que as orações valem com a prática. Não adianta rezar e não praticar o bem. Mais ou menos isso.

Pois bem, mas até hoje eu paro quando ligo a TV Canção Nova e lá está o Padre Leo, falando sobre qualquer assunto. A sua fala toca os nossos corações. Ele fala com a alma, ao contrário de alguns líderes religiosos que usam desta graça para se auto-promoverem politicamente.

O que disse o Padre Marcos

30 de março de 2010

Vou postar na íntegra o que disse o Padre Marcos Rosa em seu pronunciamento publicado no jornal “A Verdade”: “uma cassação seria ruim demais para a cidade. Gustavo já tem um projeto político sendo colocado em prática. E se ele sair, voltará essa corja do ex-prefeito Carlos Moreira, Lucien Marques e do deputado Mauri Torres. Isso vai ser um atraso político e um desastre para a cidade. O povo precisa se mobilizar a favor do prefeito porque ele é uma pessoa honesta, de boa índole, de uma família respeitosa e quer fazer o melhor para nossa cidade. Estou rezando para os juizes do TRE não cometam um ato que vai acabar com o nosso município”…

Vou agora fazer a minha interpretação: “Uma cassação seria ruim demais para a cidade”… Eu concordo em gênero, número e grau. Afinal, um mandato dividido entre dois prefeitos só tende a provocar uma crise política e administrativa para a cidade. É mesmo um desastre para a comunidade.

“O povo precisa se mobilizar a favor do prefeito porque ele é uma pessoa honesta”… Também acredito que o Gustavo Prandini de Assis, filho de um grande amigo, o saudoso Alpino de Assis, seja honesto. E também sei que tem boas propostas para Monlevade. E vontade de trabalhar pela cidade. Não tenho dúvidas disso. Mas seu governo tem deixado a desejar, e acredito que por três motivos óbvios: a crise financeira mundial que reduziu a receita do município consideravelmente; a sua incerteza como administrador, já que está governando sob uma liminar desde outubro do ano passado; e a prepotência e falta de conhecimento da máquina administrativa de alguns de seus assessores.

Como quer o Padre que o povo se mobilize?

30 de março de 2010

Mas, caro Padre Marcos, como quer que o povo se mobilize? Lotando o Plenário do Tribunal Regional Eleitoral, em Belo Horizonte, no próximo dia 6 de abril, para inibir os juízes do TRE e tentar fazer com que voltem atrás os seus votos? Se há uma outra tática, por favor, comunique ao povo. A decisão está nas mãos dos juízes do Tribunal, e não do povo. Como bem disse o empresário Lucien Marques em matéria publicada hoje no jornal “A Notícia”, “o Padre Marcos agiu com muita paixão e a paixão não é boa conselheira para ninguém”. E por isso, meu caro Padre, está dando com os burros n´água, como diz o velho dito popular. Deveria ao menos ser mais lúcido, como o foi Padre Carlos Jorge em seu pronunciamento no mesmo jornal.

Minha última intervenção: “E se ele (Gustavo) sair, voltará essa corja do ex-prefeito Carlos Moreira, Lucien Marques e do deputado Mauri Torres”… Discordo em gênero, número e grau, e foi aí, Padre Marcos, que você acabou dando bom dia a cavalo, também segundo outro dito popular. Por quê? Porque você generalizou. Quem é ESTA CORJA a qual você se refere? Quais são os canalhas, os vagabundos, os malandros, os vadios e os fofoqueiros? Afinal, todos estes adjetivos definam a palavra CORJA, segundo o dicionário Aulete, do portal da Internet UOL. Quer dizer que todas as pessoas – entre elas milhares de católicos, fiéis de sua Paróquia e que recebem a Comunhão de suas mãos -, desde que votaram ou apoiaram Mauri Torres e Carlos Moreira, são gente da pior espécie. Correto o meu raciocínio? Você não disse que Mauri, Carlos e Lucien são corjas. Aí seria um problema dos três com Vossa Eminência. Mas você disse que eles comandam uma corja, que são todas as pessoas que lhes deram os votos e os elegeram. E aí foi um erro. Realmente, você usou apenas da paixão e se esqueceu da razão.

O seu ódio contra Moreira e Mauri já é notório, e não foi nenhuma surpresa disparar suas metralhadoras contra eles. Ma atacou Lucien apenas por ele ser da doutrina espírita, e demonstrou aí o seu preconceito. Uma pena sua fala ter sido veemente reprovada até pelo seu superior, o Bispo Dom Odilon Guimarães.

Jornalista repudia ação de Padre Marcos

30 de março de 2010

“Bom dia Melo,

Não sou muito de emitir comentários, mesmo porque já não estou em Monlevade há quase dois anos. E há pelo menos cinco, não participo da política daí. Mas sou monlevadense de coração e não escondo de ninguém que aí é a minha cidade.

Bem, fiquei muito chateada ao ver aquele “jornal” circulando por aí. Uma atitude de muito mau gosto e vou te dizer, decepcionante. É ridículo ver os líderes religiosos da nossa cidade envolvidos nessa história. Falo isso porque sou católica praticante, vou à missa, saio de São Gonçalo às terças-feiras para ir à benção do Santíssimo. Se não pudemos nos apoiar na religião, onde vai parar isso?

O padre Marcos é amigo da minha família, você sabe disso. E eu deixo aqui a minha repulsa e a minha indignação com o posicionamento dele, que deveria estar preocupado com a manutenção da Iigreja e dos seus fiéis. O caminho não é este… Ele pode ter as suas opiniões, suas convicções, seus achismos e o que mais ele quiser. Mas, colocar a cara em num jornal e se misturar no meio de uma briga política partidária? Tomara que ele pense melhor e pelo menos tente reparar o que foi feito. É vergonhoso”!

Fernanda Assis – Jornalista e Assessora de Comunicação da Câmara Municipal de São Gonçalo do Rio Abaixo