Archive for março \31\UTC 2011

O medíocre time do Galo

31 de março de 2011

Mais um ano que nós, atleticanos, iremos pagar pelo futebol medíocre apresentado pelos jogadores do time.

Assistia agora ao jogo entre o Galo e o Grêmio Prudente, último colocado no Campeonato Paulista e rebaixado para a 2ª Divisão para o Brasileiro deste ano. Parei de assistir o jogo aos 25 minutos da primeira etapa e vim fazer esta postagem, talvez em forme de desabafo. De ira pela falta de vergonha na cara desses “atletas”. Recebem em dia, têm um dos melhores centros de treinamentos do país (pra não dizer o primeiro), toda mordomia, dieta balanceada etc etc. E aí?

Do último jogo até hoje foram oito dias de folga e treinamentos. Empatou em casa com o modesto time do Uberaba pelo Mineiro. E de lá até a partida contra o Grêmio paulista, pela Copa do Brasil, nada mudou. Permanece a mediocridade.

Não interessa o placar final desta partida porque a minha opinião não mudará. Estamos perdendo por um a zero. Um gol de bola parada onde os dois zagueiros ficaram parados e o goleiro, coitado, Renan Ribeiro, parece ter herdado a saga de Aranha e outras merdas que passaram pelo Galo nos últimos dois anos. Dentro da pequena área deixou o atacante adversário cabecear a bola e colocá-la nas redes. Já está se tornando comum Renan Ribeiro falhar nos gols. Hora de mandá-lo par ao banco e escalar o Giovani. E sem essa de demagogia de que “ele tem crédito”. Uma pinóia, porque tem falhado muito mais do que acertado. E mais: ou somos totalmente ignorantes em matéria de futebol ou o Dorival Júnior é mágico. Porque manter como titulares as “perebas” (dizia o saudoso Mestre Kafunga) de Renan Oliveira e Ricardo Bueno, é pedir a Deus para que o Galo aumente suas probabilidades de sair derrotado de campo. E a torcida passar muita raiva.

São 35 minutos. O Galo levava sufoco. Mas, pela máxima de que “quem não faz leva”, Magno Alves empatou para o Galo. Ôpa: 36 minutos. O Grêmio passa novamente à frente com uma falha escandalosa da defesa.

O time está apresentando um futebol medíocre e será mais um ano em que lutaremos para não cairmos para a 2ª Divisão do Brasileiro. Enquanto os azuis continuam decolando e nós assistindo, com vergonha na cara, a nossa única justificativa de que “ano que vem será diferente”.

O Símbolo de João Monlevade de cara nova

31 de março de 2011

Clique na foto

Matriz São José Operário, em foto feita no último sábado, mostrando sua beleza sem o coqueiro

A Matriz São José Operário, construída pela Belgo-Mineira na década de 40 está passando por ampla reforma, sem no entanto perder as suas características. As obras estão sendo realizadas pela própria comunidade e todo o material de pintura foi doado pela Usina da ArcelorMittal, como postado aqui nessa quarta-feira.

Inaugurada no ano de 1948, a Matriz São José Operário foi projetada pelo arquiteto Yaro Burian e construída em forma de V, o que, na época, representava a vitória dos aliados sobre a Alemanha. Sua arquitetura é referência no mundo e a sua importância para João Monlevade e principalmente para a comunidade católica é tanta que, em 1999, durante o governo petista de Laércio Ribeiro, foi eleita Símbolo da cidade durante um Plebiscitos, mais votada que o próprio Solar Fazenda Monlevade. As obras estarão concluídas ainda este ano.

O Altar passa por um processo artesanal, executado pelo próprio Padre Felipe, utilizando estopa que dá uma aparência com o mármore. Fantástico

Pelo Voto Distrital

31 de março de 2011

“Evitando os vampiros…

Marcelo, diariamente leio seus posts e gostaria de saber se você está a par do movimento chamado EU VOTO DISTRITAL. Uma mobilização de pessoas pela reforma política no Brasil.

Dentre todas as estratégias do Movimento, a principal é somar MUITAS assinaturas. Temos que ser um movimento de milhões.

Quero pedir a sua ajuda. Você pode nos ajudar a alcançar essa grande meta?

Primeiro passo é você assinar essa petição. Segundo passo é compartilhar com seus contatos.

http://www.euvotodistrital.com/assine

Fazer uma política diferente está em NOSSA capacidade de mobilizar cidadão por cidadão.

Acredite.
Em menos de um dia conseguimos mais de 1000 assinaturas.

Um abraço de engajamento

#euvotodistrital

Como você tem um amplo número de pessoas que visitam seu blog, gostaria de saber se vc pode publicar esse comentário?! Caso seja favorável. Obrigada”.

Kelliane Santana -= Belo Horizonte

Uma parada para o sol entrar: a música

31 de março de 2011

Vamos dar uma parada para o sol entrar. Após dois dias de polêmica sobre o Crucifixo e mais de duas mil visitas ao Blog (aproveito para agradecer aos leitores e amigos pelos acessos), uma pausa para assuntos mais leves e mais açucarados. O tempero faz a coisa ter mais sentido e eu, particularmente, adoro, pois cria um círculo de debates. Mesmo que façam parte aqueles comentaristas “contratados” para não deixar o boi de piranha solitário no embate de idéias e sempre perdendo o equilíbrio; ainda assim vale a pena.

Mas, deixando de lado essa “Guerra Santa”, entre católicos e evangélicos”, que deverá crescer ainda mais na próxima quarta-feira que vem, gostaria de falar sobre o centenário de grandes artistas que tanto contribuíram (e ainda contribuem) para que a Música Popular Brasileira sempre tenha sido a mais santa e mais profana de todo o mundo. E vamos relembrar de saudosos mestres que, na humildade de seus lares e de suas profissões, conseguiram criar letras que podemos chamar de natas da MPB, ou de clássicos que ficarão para a eternidade. Como”As Rosas não falam”, do mestre Cartola, seu Angenor, pedreiro de profissão e músico de alma. Como no “Último Apito”, do poeta da Vila, Noel Rosa. Ou “Se você Jurar”, do também imortalizado Ismael Silva. E, para fechar temporariamente esta lista, seu João Rubinato, famoso Adoniran Barbosa, que escreveu entre tantas maravilhas, “Trem das Onze”.

Mesmo não tendo vivido tanto a geração desses mestres que chegariam aos 100 anos e que deixaram tantas canções mágicas, tive o privilégio de ouvi-los quando ainda era criança/adolescente, nas velhas radiolas da casa dos meus pais e dos meus avós. Naquelas 75 rotações. E, como diz a sabedoria de que os ouvidos se acostumam com coisas boas e ruins (que o digam essas pessoas que só gostam das “breganejas”), ouvir Cartola, Adoniran, Ismael e Noel foi um presente dos deuses.

Dessa forma tento passar para os meus filhos o mesmo ensinamento, através do legado da MPB e, apesar de também gostarem do Rock, breganejas e pagodes (infelizmente) – pois também estão integrados a esse mass mídia que controla as emissoras de rádio e o que nelas tocam – também adoram ouvir Cartola, Martinho da Vila, Jorge Aragão, Milton Nascimento, João Bosco, Elis Regina, Flávio Venturini, Beto Guedes. E por isso já me sinto satisfeito. No mais, Amém!

Para os políticos refletirem

31 de março de 2011

“Eu não tenho medo da morte. Tenho sim medo da desonra. Porque o homem público que cai na desonra morre, mesmo estando vivo.”

José Alencar –

Esta fala do ex-vice-presidente da República, José de Alencar, foi retirada do Blog “Monlewood”, do amigo e advogado Fernando Garcia.

Ps: O “Pessoa” até que pegou bem.

Carta de Juninho Starling

31 de março de 2011

Wilson Starling Júnior disse:

“Até então, não me manifestei publicamente sobre a retirada do crucifixo do plenário da Câmara, apenas disse que o crucifixo ja estava no plenário da sede da Rua Duque de Caxias, apenas, em RESPEITO, mantive.

Me sinto entristecido de ver, agora questionada a minha condição de evangélico.

Primeiro, não tenho satisfação a dar ao Felipe ou a qualquer outra pessoa, que nem conheço, e mais ainda, tenho consciência de que sou seguidor, às vezes até, tento ser imitador de meu único Senhor e salvador de minha vida – JESUS CRISTO!

Sempre, independentemente de época de eleições, visito as igrejas que quero, onde sou recebido com muita alegria pelos irmãos. Sou membro e frequento a Igreja Batista do Evangelho Pleno, na Avenida Amazonas, Bairro Satélite, João Monlevade.

Fui eleito por 4 mandatos como Vereador, lembro ao Felipe, que talvez não me conheça também, que minha base política eleitoral não é evangélica, apesar de ter um bom nome e serviços prestados ao povo evangélico de João Monlevade.

Basta dizer que o dia do Evangélico é comemorado no segundo domingo do mês de dezembro de cada ano, através de LEI de minha autoria aprovada na Câmara Municipal de João Monlevade.

Sei que dificilmente vou ser considerado um evangélico exemplar, entretanto, tenho me esforçado e Deus sabe.

Infelizmente, existem evangélicos – se podem ser assim chamados – que acham que só eles são perfeitos e salvos.

Informo ainda ao comentarista, se ele não sabe, fique sabendo que deixei de ser candidato a Vereador por minha única vontade, mesmo porque, com certeza com votos de parcela considerável da população de João Monlevade, seria eleito Vereador mais uma vez.

Felipe, não sei qual a sua crença, faça como eu, CONFESSE COM SUA BOCA E EM SEU CORAÇÃO CREIA QUE JESUS CRISTO É O ÚNICO CAMINHO PARA A SALVAÇÃO DE SUA ALMA!

Boa sorte, que Deus te abençoe”.

Juninho Starling – Advogado e ex-presidente da Câmara Municipal de João Monlevade

Comentário bem rapidinho e malicioso

30 de março de 2011

Estava eu agora a pouco no Hipermercado quando uma funcionária me chamou e disse: – Marcelo, a nossa Câmara agora tem até Vampiro. Confesso que a ficha custou a cair por alguns segundos… Até que ela concluiu: – Uai, quem não gosta de ver um Crucifixo?

Quando o contraditório é salutar!

30 de março de 2011

Tão logo acabei de escrever o texto “O povo quer comida, diversão, arte… e Debates”, aprovando este debate do povo monlevadense sobre a retirada do Crucifixo do Plenário da Casa Legislativa, abro minha caixa de e-mails e recebo um comunicado procedente do Distrito Federal, assinado pelo amigo Geraldo Magela Ferreira, o “Magelinha do PT”. E simplesmente ele contradiz o que escrevi e ainda sem ter lido o que postei agorinha. Mas confesso ter sido uma surpresa agradável, porque ele considera provinciana a discussão partindo do homem público, e não do povo. Porque este tem o direito absoluto.

Pois é, Magela, mas como é bom ter amigos mais abastardos de inteligência do que a gente. E ter um amigo como você, de sua estirpe cultural e política, é uma grande honra.

O texto segue abaixo:

Carta do Magela

30 de março de 2011

“Meu querido amigo Melo,

Depois dos 50 anos aprendi que tudo na vida tem o seu lado bom e o seu lado ruim. Por exemplo, essa chamada “guerra santa” aí em nossa cidade natal tem disso. O lado bom dessa confusão provocada pela retirada do crucifixo da Câmara pelo atual presidente é que João Monlevade deixou de ser manchete em jornais e emissoras de televisão sobre os terríveis e violentos acidentes na BR-381 e passou a ser protagonista de uma disputa quase inédita entre católicos e protestantes. Parabéns ao pastor por essa proeza midiática. O lado ruim é que, enquanto os Parlamentos estão debatendo temas relevantes, como é o caso do Congresso que discute de maneira contundente a Reforma Política, o nosso Legislativo dá mostras de um provincianismo sem igual, envolvido em uma contenda religiosa que não leva ninguém a nada e nem a lugar algum. Na minha modesta opinião – e a sabedoria dos políticos mineiros, como o nosso já saudoso Zé Alencar, comprova isso – existem coisas em que é melhor você não mexer, e muito menos cutucar a onça com vara curta.

O Estado é laico, mas a maioria esmagadora da população é católica e por aí vai, basta ver a polêmica da descriminalização do aborto e tudo mais. Esperto foi o vereador Juninho Starling que, apesar de evangélico e advogado conhecedor do direito público, quando presidiu a Câmara não meteu a mão nessa cumbuca. João Monlevade tem que deixar de ser provinciana politicamente, parar com essas “bobices” e refletir mais sobre o seu futuro num mundo que se transforma a cada dia.

Um abraço”.

Geraldo Magela Ferreira – jornalista

O povo quer comida, diversão, arte… e Debates

30 de março de 2011

De tudo fica um pouco. Mesmo que seja amargo. E de tudo a gente tira lições. Assim como ocorreu ontem, quando alcançamos, desde novembro de 2008 (mês de lançamento do Blog), o segundo dia em maior número de acessos. Foram ao total 1.073 visitantes, perdendo apenas para as postagens feitas em 22 de setembro de 2010, quando alcançamos o número recorde de 1.977 visitas. Mas, em se tratando de comentários, o recorde ocorreu nessa terça-feira, 29 de março de 2011, quando nos foram encaminhados cerca de 70 deles. A maioria foi aceita, enquanto uma parte eu rejeitei por ter sido ofensivo às pessoas e outros repetitivos. E por favor, não venham com este “chororô” de “falta de democracia”, porque há uma diferença muito grande entre ser democrático e ser otário. E outra coisa: a prepotência de certas pessoas ultrapassa os limites da tolerância, eu diria, e fere o nosso emocional. Ninguém é dono de nenhuma verdade, nem eu e nem vocês. Nem ninguém, porque não há verdade absoluta. Tanto que o termo “Estória” caiu em desuso. Ficou apenas a “História”. Mas, apresentar justificativas através de ataques pessoais, arrogância e argumentos chulos, é apelar. E se apelou, perdeu…

Quero chamar a atenção para um detalhe: o povo gosta de polêmica. Não se trata de um privilégio do povo desta terra, mas é a cultura do povo brasileiro. Podem achar uma “bobagem ou mesquinharia” se discutir a retirada de um Crucifixo de um Plenário da Casa Legislativa e envolver imprensa, líderes religiosos, comunidade em geral. Podem afirmar que Monlevade tem problemas muito mais sérios para se discutir e resolver – e os tem, obviamente. Mas são nessas pequenas discussões que o povo participava. E digo que muito aprendemos com ele.

Não vou entrar agora no mérito da questão religiosa, envolvendo católicos e evangélicos. Afinal, todos são cristãos. E nem se X ou Y está certo. Não há verdade absoluta. Mas, refletindo sobre todos os e-mails que recebi via-comentários aqui em nosso Blog, da manhã de ontem até agora, diria que aprendi muito com alguns de nossos leitores. Tirando os argumentos e respostas hostis e pessoais, eu consegui ler comentários interessantes. Até mesmo do Rômulo Lopes, filho do Pastor Carlinhos) – quando não partiu para ataques provocados pelo seu descontrole emocional – (e não me venha mandar para a p.q.p. que respondo à altura, porque também sei falar palavrões) -, apresentou bons argumentos em torno do assunto, assim como João Anísio (o comentário que você disse eu ter deletado está postado na página de comentários, registrado às 14:40 hs dessa terça-feira), Regiane Ferreira, Alexandre Cota, José Carlos Bazílio, Gustavo Oliveira Cruz, Lara, Vítor Silva. Foi um debate e não pode ser encarado como um assunto banal. Depende do ponto de vista de cada um.

E só para encerrar, não adianta alguns pseudos-intelectuais mandar recado dizendo que “em Monlevade perde-se tempo com pouca coisa”. Assim como escreveu a leitora que se identificou como “Nany Cruz”, e disse que “Oi gente. Que palhaçada hein! A cidade parece mais um circo. Há pouco que estou aqui e não vejo falarem de outra coisa; essa cidade deve ser uma paz da vida em outros setores pois para se preocuparem tanto com a vida pessoal de um político”… Pois bem, “Nany”, para início de conversa: se você mora em João Monlevade há tão pouco tempo e já se sente incomodada, melhor retornar ao seu local de origem. Como escreveu muito bem o Fernando Pessoa, em seu Blog “Monlewood”, aqui não é Raposos, mas sim João Monlevade.