Archive for agosto \31\UTC 2012

Belgo-Mineira, sempre: Usina de Monlevade completa 77 anos

31 de agosto de 2012

Vista geral a Usina de Monlevade, que completa hoje, 31 de agosto de 2012, 77 anos de sua instalação no município.

Foi no dia 31 de agosto de 1935 que tudo começou, com a presença do então presidente da República, Getúlio Vargas, para lançamento da pedra fundamental. Tudo somente foi possível graças à coragem e determinação do luxemburguês, engenheiro Louis Jaques Ensch. Nascia a Cia. Siderúrgica Belgo-Mineira, pioneira no Brasil. Orgulho de João Monlevade!

Censura não me mete medo. Afinal, já se foi a ditadura. Ou sobraram resquícios dela?

31 de agosto de 2012

Conforme havia prometido, falarei agora de uma intimação judicial que recebi por parte do Cartório Eleitoral de João Monlevade, na manhã dessa quinta-feira. Tal processo foi movido por um advogado da cidade – cujo nome nem preciso citar por se tratar de elemento conhecido dos leitores e amigos aqui do Blog e por não considerá-lo tão importante como se acha -, que se apresenta como procurador jurídico do PT para casos específicos ligados à campanha eleitoral da coligação envolvendo os nomes de Gentil Bicalho e Laércio Ribeiro. Isso em razão de uma “receita” que publiquei neste espaço que leva – entre outras iguarias – um peixe muito conhecido entre os apreciadores da carne branca, e que servida desossada é ainda mais saborosa, pois nos poupa de retirar as espinhas. Mas isso agora não vem ao caso, mesmo porque já recebi a intimação e minha defesa será feita dentro do prazo determinado pela Justiça Eleitoral.

Bom, mas o que incomoda mesmo é ter o desprazer de ler em uma intimação cujo desejo do advogado – futuro procurador jurídico a Prefeitura caso a chapa petista saia vitoriosa? Acredito que não – é fazer retornar a ditadura tentando calar a boca, censurando a opinião livre. Isso é coisa de um passado que, com certeza, para quem nela sobreviveu, não tem qualquer sentimento saudosista. Afinal, em um dos itens, o senhor advogado requer da Justiça que este Blog – de minha responsabilidade desde 28 de novembro de 2008 -, fique fora do ar por um período de 24 horas. Quem é ele (principalmente por se tratar também de um blogueiro e formador de opinião, onde deveria dar o exemplo) para exigir este “cala boca” de um profissional, jornalista formado ((Reg: MG11566JP) que milita na imprensa há 28 anos, simplesmente por razões pessoais? E falo se tratar de um procedimento de ordem pessoal porque ainda nessa quinta-feira, 30 de agosto de 2012, a também blogueira e hoje responsável pela área de Comunicação dentro da campanha do PT/Monlevade, Eliane Araújo, entrou em contato telefônico comigo manifestando sua solidariedade e indignação pelo fato de não concordar com a posição tomada pelo nobre advogado, em entrar com uma ação judicial contra este jornalista. E mais: o ex-vereador e ex-secretário do governo do prefeito Gustavo Prandini de Assis, Luiz Cláudio do Patrocínio, também filiado ao PT e um dos “linhas de frente” da campanha majoritária de Gentil Bicalho e Laércio Ribeiro, disse a duas pessoas (omitirei os nomes, mas se precisar torno-os públicos) que a ação do nobre vereador foi tomada sem a devida deliberação por parte da Coordenação da Campanha. Ou seja, teria sido uma posição não coletiva e que uma reunião seria marcada com o nobre advogado para tratar do assunto.

Sem mais, deixo aqui a minha posição de que não tenho absolutamente nada de pessoal contra Gentil Lucas Moreira Bicalho e Laércio José Ribeiro, cidadãos com quem sempre tive e tenho um bom relacionamento. Não se confunde relacionamento com vida pública. As minhas críticas são de ordem pública e jamais de ordem pessoal. Tenho nas duas pessoas grande admiração e sempre nos tratamos com o maior respeito. Portanto, nobre advogado, não queira curar suas mágoas em quem não comunga com suas idéias. Afinal, não julgo, por exemplo, a sua incoerência em ser filiado ao PDT e se dizer “advogado do PT”. Isto é um problema seu. E jamais tente usar de argumentos advocatícios para amordaçar a imprensa. Censura e ditadura, seja da esquerda, de centro ou da direita, ela fede. Agora, quanto ao pedido de retratação, também inserido na intimação, estou totalmente aberto. Afinal, ninguém (nem eu e nem você) é dono de qualquer verdade.

Acredito na força da Amizade!

30 de agosto de 2012

Acredito na força da amizade. Nos laços que se fizeram ainda pequeninos, ao som dos pássaros. De nossa inocência entre a histórica Vila Tanque, onde plantamos nossos primeiros jardins. Colhemos os primeiros sorrisos e até tivemos nosso primeiro amor, mesmo que platônico. E que delícia achar que ama e ama de longe, dentro do maior respeito. Todos nós, tanto ali no Eugênia Scharlé quanto no Polivalente, tivemos uma queda por alguém. Mas nunca nos declaramos. Era nosso jeito. Nossa cultura de mineiro do interior.

Pois é, e todos nós, contemporâneos, fosse do Polivalente ou do Colégio Estadual, vivemos histórias fantásticas. Brincamos de pique-bandeira, queimada, ticutin-queimado, polícia e ladrão, 31 de janeiro e cada um no seu puleiro, de finca, bolinha de gude, boneca, bola, papagaio de manivela. Tomamos chuva, tivemos brigas com colegas, nadamos nas enchentes que desciam a Contorno. Cada saudade é um pedaço que ficou, mas que foi regado e se conservou.

E mais uma vez nos encontraremos ali. Para um abraço, um sorriso, uma lágrima de felicidade. Deus nos dá este privilégio. Vamos aproveitá-lo com toda intensidade. Porque é um momento único e a vida é uma só. Obrigado a vocês, amigos, pela graça do reencontro. E também pela saudade que é eterna pelos que já se foram. E vamos cantar, pedir que o nosso Papai do Céu nos ilumine nestes dois dias de festa.

Censura? Em mim não mete medo!

30 de agosto de 2012

Um “nobre” advogado aqui da terrinha entra na Justiça para tentar colocar o nosso Blog fora do ar.

E mais: declarando-se o “advogado da chapa do PT”, nas eleições municipais deste ano, tem restrições dentro da própria aliança.

Leiam mais tarde aqui neste espaço.

“III Encontrão do Polivalente”

30 de agosto de 2012

Atenção, ex-alunos e ex-professores do Polivalente. A nossa festa está chegando. Favor confirmar presença até a próxima sexta-feira. O nosso “III Encontrão” será realizado de 7 a 9 de setembro, na Arpas, Vila Tanque.

Programação: Na sexta-feira, feriado de 7 de setembro, recepção dos contemporâneos a partir de 10 horas. Haverá shows musicais com roda de samba, shows com o grupo de Seresta da Pastoral Familiar e do tecladista e cantor Eustáquio Ambrósio, além de uma homenagem ao Mestre Lelé, autor do Hino do Polivalente.

NO sábado, 8 de setembro: roda de samba, desfile de moda, hora-dançante com o cantor Geraldo di Noite e a dupla João Roberto e Ronivaldo. E nos dois dias, exposição de quadros com pinturas de Monlevade antiga, incluindo obras dos artistas plásticos monlevadenses Isabel Baroni, José Ricardo e Nem. E ainda exposição de fotografias antigas e atuais, com o fotógrafo F. de Paula Santos.

Sem contar os “comes e bebes” à vontade e muitas surpresas.

Contatos pelos telefones: (31) 3851.6622 e 8727.0379.

Convite Individual a R$ 100 reais, com direito ao Kit completo, incluindo camisas.

Para quem for pernoitar na sede da Arpas, favor trazer roupas de cama.

Aguardamos vocês.

ArcelorMittal Monlevade divulga vencedores do Prêmio de Meio Ambiente 2012

30 de agosto de 2012

A vigésima primeira edição do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente já tem seus vencedores. A seleção dos melhores trabalhos foi realizada por uma comissão formada por profissionais das áreas de Artes Plásticas, Comunicação e Educação. O Prêmio é realizado anualmente com a participação das escolas públicas e particulares dos municípios onde a ArcelorMittal possui unidade industrial. Na área de influência da ArcelorMittal Monlevade, participam João Monlevade, Nova Era e Rio Piracicaba.

Na edição deste ano concorreram cerca de 12 mil estudantes de 51 escolas. As categorias são Desenho e Redação, divididas entre alunos representantes da comunidade e alunos que são filhos de empregados da ArcelorMittal. Ainda há a categoria Projeto-Escola, que premia as instituições de ensino que concorrem com projetos nas áreas educacional e ambiental. O tema este ano foi “Ideias para sustentar o mundo: como construir juntos um planeta sustentável”, dando sequência ao tema do ano passado que também tratou da sustentabilidade.

Os vencedores da região passam a concorrer ao Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente no nível corporativo, disputando com os vencedores de outras unidades da empresa no Brasil. A premiação local será no dia 26 de setembro.

CATEGORIA: ESCOLA (COMUNIDADE)

1º e 2º ano – Desenho

Paulo César Tarbes Santos Caetano – 2º ano

Escola Municipal Antônio Andrade (Nova Era/MG)

3º ao 5º ano – Desenho

Clara Ivis Alves Sampaio – 4º ano

Escola Municipal Estação Crescer (Nova Era/MG)

6º e 7º ano – Redação

Jaíne Maria Ataíde de Abreu – 6º ano

Escola Estadual Prof. Antônio Fernandes Pinto (Rio Piracicaba/MG)

8º e 9º ano – Redação

Carla Conceição Silva – 9º ano

Escola Municipal Córrego São Miguel – (Rio Piracicaba/MG)

CATEGORIA: FILHOS DE EMPREGADOS

1º e 2º ano – Desenho

Michele Ferreira de Magalhães – 2º ano

Escola: C. E. Pedacinho do Céu (João Monlevade/MG)

3º ao 5º ano – Desenho

Maria Eduarda Alfeu – 5º ano

Escola: AMEC (João Monlevade/MG)

6º e 7º ano – Redação

Letícia Lara Andrade Gomes – 6º ano

Escola: Colégio e Faculdade Kennedy (João Monlevade/MG)

8º e 9º ano – Redação

Bárbara Evelyn Silva Torres – 9º ano

Escola Estadual Santana (João Monlevade/MG)

CATEGORIA: PROJETO-ESCOLA

1º Lugar: AMEC – Associação Monlevadense de Ensino Cooperativo (João Monlevade/MG)

Projeto: AMEC +25

2º Lugar: CESP – Colégio de Estudo Supletivo e Pré-Vestibular (João Monlevade/MG)

Projeto: Canteiro de ideias

3º Lugar: Escola Municipal Córrego São Miguel (Rio Piracicaba/MG)

Projeto: Gente Produtiva, Escola Atrativa

Comissão julgadora do Prêmio 2012

Comentário do vice-prefeito sobre “Vingança é um prato que se come frio”

29 de agosto de 2012

“Conte com minha solidariedade, meu caro Marcelo Melo. O que está acontecendo agora com você, vem ocorrendo comigo nos últimos meses. Comigo, vários petistas, alguns até foram protegidos por ações minhas, outros, com os quais tinha relações quase ‘familiar’, a inconfidência destruiu tudo e é irreversível. Também o meu congelador está na temperatura máxima, aguardando o dia e a hora certa”.

Wilson Bastieri – Vice-prefeito de João Monlevade

Comentário de um Leitor – “O fanatismo sempre extrapola”

29 de agosto de 2012

“Sigo o Sr Geraldo Elias em apoio ao seu trabalho. Informativo e indepedente, faz principalmente deste blog, uma importante ferramenta de conecção com os principais acontecimentos de nossa cidade. Fanático e com opiniões lúcidas, emocionalmente ligado no melhor para Monlevade. Para Monlevadenses ausentes, assim como eu, seu trabalho permite manter nossas raízes firmes.

Sua trajetória é longa e você sabe lidar com as pedras. Não será o desequilíbrio de uma traição passada por terceiros, que viu em você a possibilidade de reabilitação, que irá lhe abalar. Aqui estaremos”.

Ricardo Menezes – Monlevadense residente nos Estados Unidos

Hoje a noite valeu muito a pena!

29 de agosto de 2012

Estávamos eu e o amigo Mário “Paciência” aqui em casa, na noite desta terça-feira, tratando assuntos ligados à festa que faremos realizar a partir do próximo dia 7 de setembro, que se refere aos contemporâneos da Escola Polivalente. E, entre uma cerveja e uma cachaça, uma lembrança dos nossos 14, 15 anos, e da década de 70. Da turma, dos aprontos e do hino cantando pelo saudoso Gonzaguinha: “Muito que andar por aí. Muito que aprender por aí. Muito que aprontar por aí. Muito que viver por aí”! E ali, na nossa adolescência, a poesia do Gonzaga Jr. era a nossa referência. Porque tínhamos muito ainda a conquistar. E acho que conquistamos alguma boa parte, graças a Deus.

Daí a prosa revirava os baús do passado, de 35 anos atrás. E veio a imagem do Mestre Lelé, grande músico, seresteiro, meu maestro do Coral de Jovens da Igreja da Vila Tanque. E do hino que ele criou para o Polivalente, durante uma Gincana realizada no ano de 1973. “Vem, vem comigo vem, que eu vou lhe mostrar o Paraíso. Lá você aprende tudo, aprende até a amar o seu inimigo”… E nesse exato momento veio o Banzo que há muito não pintava (“pintava” era uma gíria da nossa época). Peguei o telefone e liguei para a minha outra mãe, Dona Eni, viúva do Mestre Lelé e que reside em Jacaraípe, no Espírito Santo. Ao ouvir aquela voz, calma, de sabedoria, foi como escutar a valsa vienense em meio ao barulho das ondas que vinham do mar. Quanta saudade eu e Mário sentimos naquele instante único. Com certeza, na cabeça várias viagens, entre o alpendre da casa de Seu Lelé, ali na Rua 19, Vila Tanque, onde tocávamos violão e cantávamos canções do Clube da Esquina e dos Beatles. Gelu, Zé, Bosch, Emilson, Elmar, Edmar, Mário, Dudu, eu. Tudo supervisionado pelo lindo casal Lelé e Eni.

Pois é, mas Deus nos deu esta graça na noite de uma terça-feira que poderia ter sido qualquer, como outra. Mas se distinguiu pela façanha do reencontro, mesmo que pelas ondas. E no dia 7 de setembro faremos uma homenagem ao grande músico, durante o “Encontrão do Polivalente”, o Mestre Lelé, jamais homenageado na terra onde viveu durante décadas e deixou sua obra imortalizada. Mas cujo nome se deu à rua em que moram sua esposa e a filha mais nova, no município de Serra (ES). Lá, bem longe, a Casa Legislativa lhe prestou uma singela e justa homenagem.

Mestre Lelé

Vingança é um prato que se come frio

29 de agosto de 2012

Diz o velho ditado que vingança é um prato que se come frio. E esta frase era às vezes usada por Tancredo Neves, quando se referia a Itamar Franco, ironizando o colega ao afirmar que “Itamar guarda a vingança na geladeira. Para depois servi-la”. Mas outros tantos podem deter tal sentimento.

Hoje, neste mundo louco – onde as traíras são comidas até com seus ossos -, pego uma carona na frase para dizer do gosto que terei ao injetar minha vingança sobre certos vermes que se acham no direito de trair as velhas conversas e deletar os antigos gestos antes tão bem compartilhados entre um copo de cerveja e uma cachaça. Tudo pela pechincha de conseguir uma boca num emprego público, doando-se ao acaso da porca política partidária. Hoje, guardo meu ódio misturado à vingança que poderá até tardar, mas se fará concreta. Será solidificada. Não temo ao homem, justamente pelo fato de uma parcela dele ser canalha, suja. Temo sim a Deus, porque Ele tudo pode.

Mas, sem me fazer de rogado ou hipócrita, deixo aqui a minha tese que de que o dito popular é de uma sabedoria medonha. Porque vingança é mesmo um prato que se come frio. E se serve gelado. Amargo, pelas entranhas dos vermes morcegos capachos de traíras em ossos. E, completando a bendita frase: “quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Meu congelador está na temperatura máxima. Apenas aguardando a hora.