Lá se foi o polêmico Wilson Vaccari, um grande parceiro do Jornalismo sem medo

Entrevista com Magela, Vaccari, Gilson e Chico Franco

Aqui, em meu programa “Plantão Cultura”, pela emissora, no “Dia da Imprensa”, com os jornalistas Geraldo Magela, Wilson Vaccari, Gilson Eloy e Chico Franco, no final dos anos 1990

Wilson Vaccari, um cara ímpar, diferenciado. Não morria de amores por ele e nem ele por mim, mas a sua sinceridade e a minha fizeram com que os nossos caminhos se cruzassem. Durante quase dois anos, a convite do então diretor da Rádio Cultura, Carlos Moreira, fizemos o programa “Plantão Cultura”, que ia ao ar de quatro às seis da tarde, de segunda a sexta-feira. E uma audiência sempre em alta, exatamente pela nossa forma de fazer jornalismo. Fazíamos sem medo, sem censura, de forma arrojada. E eu muito aprendi com ele, entre 1997 a 1998.

Conheci Vaccari muito antes de me tornar jornalista. Ainda era adolescente, da Vila Tanque, e ele atuava como Relações Públicas do então prefeito Antônio Gonçalves, o “Pirraça”. E, quando comecei a carreira no jornal “A Notícia”, em novembro de 1984, Vaccari era o presidente da Câmara Municipal. E foi ali que, apesar das divergências e os lados opostos – entre poder e imprensa –, nos tornamos meio pares. Mais que ímpares. O cara que sempre teve história na cidade, depois de se aposentar como jogador de futebol profissional. Ativista cultural nato, organizou carnavais de rua, festivais da canção, gincanas, eventos esportivos. Ele, ao lado do também saudoso Guido Walamiel, tornaram-se diferenciados para a história artístico-cultural de João Monlevade, onde posso acrescentar mais um: o ex-vereador e promoter João Bosco Vieira Paschoal.

Pois é, mas ele se foi, natural de Barão de Cocais, no final da noite desta terça-feira, 11 de junho de 2013, às vésperas do Dia dos Namorados. E há algum tempo já nem nos falávamos, mas sempre nos respeitamos. Como homens da imprensa, polêmicos e irreverentes, como parceiros em um programa de rádio. Lá se foi, logo depois do amigo Nino Prandini, que também partiu numa terça-feira, uma semana antes. Assim passamos por esta vida, mas a obra de Wilson Vaccari o torna imortal nesta terra de João Monlevade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: