2017: O bi-centenário da chegada de Jean Monlevade nas terras de São Miguel

2017 marca os duzentos anos da chegada do Frances Jean Antoine Felix Dissandes de Monlevade ao Brasil. João Antônio de Monlevade, como passou a assinar o nome, chegou ao porto do Rio de Janeiro em agosto de 1817, ingressando, logo após, para Minas Gerais a fim de estudar suas reservas minerais, por incumbência da Escola Politécnica de Paris.

Monlevade foi autor de importantíssimos feitos na história de Minas Gerais. É dele, por exemplo, o primeiro estudo da mineralogia mineira (1853), com o qual definiu o Quadrilátero Ferrífero. Foi ele também o primeiro a implantar uma máquina a vapor em Minas Gerais (1828), a primeira da Indústria Brasileira. Sua formidável Fábrica de Ferro foi, de longe, a mais importante do Império Brasileiro e se distinguiu das demais pela variedade de equipamentos com que contava e pelos artefatos que produzia, alguns com mais 900 quilos de peso.

Foi também Monlevade o responsável por viabilizar, decisivamente, uma importante fase da mineração do ouro em Minas Gerais, inaugurada a partir do primeiro quartel do sec. XIX pelas Companhias Inglesas que passaram a empregar método industrial na extração do metal precioso. Era a Fábrica de Ferro de Monlevade que produzia as ferramentas de ferro e os pesados equipamentos destinados a processar o minério aurífero nas Minas de Ouro de Gongo Soco, Morro Velho, Pari, além de tantas outras mantidas pelos ingleses naquele período.
Foi essa 3ª fase da mineração do ouro tão expressiva para a história e para a formação do povo mineiro que ainda nos dias atuais encontramos suas reminiscências no modo de falar do mineiro. Foi convivendo com os ingleses dessas companhias que o mineiro passou a empregar termos como “Sô”, “Uai” e “Trem”. “Sô” tem sua origem na palavra inglesa “Sir” com a qual os ingleses eram tratados. “Uai” também vem do inglês: “Why?”. E “Trem” tem sua origem em “Train”, que ainda não era o trem de ferro, mas sim o sistema de vagonetes utilizado para extrair o minério aurífero das galerias subterrâneas das minas operadas pelas Companhias Inglesas.

A biografia de Monlevade desafia a tese difundida nos bancos de escola de que o subdesenvolvimento do Brasil também se deve ao fato de o país, durante os séculos passados, jamais ter apresentado vocação para a Indústria. Também desmente a afirmativa histórica de que o ouro extraído em Minas jamais fora utilizado na aquisição de bens de capital, pois foi com o vultoso dote em ouro que recebera pelo casamento com Clara Sophia, sobrinha do Barão de Catas Altas, o mais rico minerador da época, que Monlevade importou pesado maquinário para equipar sua extraordinária Fábrica de Ferro.

Apesar de tanta importância, a história de Monlevade segue omitida dos livros escolares e o município que leva seu nome comemorará os 200 anos de sua chegada ao Brasil com o Museu instituído em sua residência e sede administrativa de sua Fábrica de Ferro – o Solar Monlevade – fechado à visitação, com parte do telhado suprimido pela ArcelorMittal e várias peças do acervo expostas à intempéries, perdendo-se.

Fonte: Livro sobre a Biografia de Jean Monlevade, cuja obra é do escritor Afonso Torres, “Afonsinho”.

jean-monlevade

Ilustração de Jean Monlevade

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: